2-DIAGNÓSTICO E O TRATAMENTO DA DPOC

POR QUE A DPOC É NEGLIGENCIADA OU DESCONHECIDA?
A DPOC é uma doença bastante comum e que causa falta de ar ou cansaço, mas os sintomas são muitas vezes confundidos como “próprios da idade” ou “próprios do cigarro” e a pessoa os negligencia. Muitas das pessoas portadoras de DPOC também possuem doença cardíaca ou hipertensão arterial, que também são condições agravadas pelo cigarro, e atribuem seus sintomas a essas causas. Talvez a sigla DPOC, que resume o nome científico da doença, seja desconhecida. Mas quando se fala em bronquite crônica ou enfisema pulmonar o leigo logo relaciona com doença pulmonar e com tosse e falta de ar.

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO DA DPOC?
Através do histórico dos sintomas e do exame físico é possível se suspeitar fortemente da presença da doença. A confirmação do diagnóstico é feita por exames que avaliam a função pulmonar, sendo fundamental a realização da espirometria.
 
Exames que avaliam o nível de oxigenação do sangue como a oximetria (exame que detecta a concentração de oxigênio no sangue por meio de um sensor colocado no dedo e pode ser realizado durante a consulta), gasometria arterial (exame de sangue colhido direto das artérias para medir a concentração de oxigênio no sangue), radiografia e tomografia do tórax. Estudo da função do coração pode ser necessário em fases mais graves da doença, pois existe uma repercussão cardíaca dos problemas pulmonares.

O QUE É ESPIROMETRIA?
Espirometria é um exame que pode ser realizado inclusive no consultório do médico e que avalia o fluxo de ar e o volume de ar que os pulmões podem mobilizar em cada respiração. Através de um bocal acoplado a um sistema computadorizado, o paciente inspira e expira fortemente e os valores são detectados e analisados. Paciente com DPOC tem uma redução dos fluxos de ar expirado.
 
A DPOC TEM TRATAMENTO?
A DPOC não tem cura, mas seus sintomas têm tratamento. O primeiro e principal passo é parar de fumar. Os medicamentos aliviam a sensação de falta de ar, melhorando a capacidade de realizar as atividades diárias. Os principais medicamentos são os chamados broncodilatadores, que aumentam o diâmetro dos brônquios e facilitam a passagem do ar. Isso alivia a sensação de falta de ar e melhora a capacidade de realizar as atividades diárias. Pacientes em fases mais avançadas podem precisar do uso contínuo de oxigênio para repor os baixos níveis no sangue. Isso é fundamental para a melhora da qualidade de vida e diminuição do risco de complicações cardíacas, neurológicas e de óbito pela doença. Tratamento de reabilitação pulmonar, feito sob supervisão especializada, melhora a capacidade de realizar esforços e a qualidade de vida do doente em qualquer fase da doença.
 
COMO UTILIZAR OXIGÊNIO?
O oxigênio é um medicamento e deve ser utilizado somente sob orientação médica e na dosagem prescrita. Utilização incorreta, com doses excessivas, pode fazer mal e inclusive levar à morte. O uso de oxigênio suplementar melhora a falta de ar, a memória e os músculos do corpo. Por preconceito, muitos dos doentes que tem necessidade de uso de oxigênio não o fazem, mas é bom salientar que o oxigênio suplementar é o único tratamento que comprovadamente prolonga a vida dos doentes.
 
Existem vários sistemas de administração domiciliar de oxigênio:
- cilindros de oxigênio: popularmente conhecidos como “torpedos de oxigênio” ou "balões de oxigênio". São como grandes botijões onde o oxigênio é armazenado e necessitam recargas periódicas (cerca de duas ou três vezes por semana, dependendo da quantidade usada de oxigênio diária).
 
- oxigênio líquido portátil: o oxigênio é armazenado em pequenas garrafas e permite ao paciente realizar as atividades do dia a dia normalmente, como sair de casa, caminhar, etc. Também são necessárias recargas periódicas.
 
- concentrador de oxigênio: ligado à energia elétrica, produz oxigênio no próprio ambiente. Podem ser aparelhos maiores, para uso doméstico, ou portáteis, para uso fora do ambiente doméstico. No caso desse último, são necessárias recargas de bateria. Os concentradores não têm a necessidade de substituição periódica de equipamentos para recarga, como os cilindros ou o oxigênio líquido, mas necessitam uso da rede elétrica, o que pode encarecer a conta de energia.


Figuras mostram os cilindros de oxigênio (à esquerda), o concentrador de oxigênio (centro) e o sistema de oxigênio líquido (à direita).
COMO DEVE SER A DIETA DE QUEM TEM DPOC?
A dieta do paciente com DPOC deve incluir frutas, vegetais, grãos e proteínas, tais como peixe e frango. Devem-se evitar os excessos de carboidratos (açúcar, massas, bolos, doces, refrigerantes) e bebidas alcoólicas. Ideal que se façam pequenas refeições várias vezes ao dia para facilitar a digestão e conservar energia. Não se deve comer grandes quantidades de uma única vez. A presença de gases no abdômen dificulta a respiração, por isso é bom evitar a ingestão de refrigerantes de qualquer espécie e a ingestão de líquidos durante as refeições.
 
O QUE É REABILITAÇÃO PULMONAR?
Reabilitação pulmonar é um tratamento especializado que visa, através de técnicas de treinamento muscular, treinamento da respiração e técnicas de conservação de energia, promover novo condicionamento físico aos doentes, melhorando a sensação de falta de ar e a qualidade de vida.

É POSSÍVEL PREVENIR A DPOC? 
A única prevenção para essa doença é a cessação do tabagismo, ou seja, parar de fumar. Os portadores desta enfermidade também podem se beneficiar da vacinação antigripal e da vacinação para prevenção de pneumonia. A natação é útil assim como qualquer exercício aeróbico (caminhada, corrida, bicicleta, dança, etc.) para melhorar o condicionamento físico, assim como a reabilitação pulmonar também o faz, embora não sejam todos os doentes que possam realizar natação de acordo com o grau de gravidade da doença. Mas os exercícios não evitam o desenvolvimento da doença, cuja única forma de prevenção é se evitar a exposição ao tabaco.

Para saber mais sobre como parar de fumar em nosso site, clique aqui.
DPOC CAUSA DEPRESSÃO?
A DPOC é uma doença que pode causar grande limitação aos doentes, o que pode fazer com que muitos deles entrem em depressão. Isso deve ser relatado ao médico, pois possui tratamento. Deve-se estar atento aos sinais de depressão como alteração do apetite, mudanças no ritmo de sono, afastamento do convívio social, perda de interesse por atividades que sentia prazer, pensamentos de morte ou suicídio.

Para saber o que o paciente com DPOC precisa fazer para viajar de avião, clique aqui.

 

Compartilhar:

CONTATOS

HIGIENÓPOLIS
Rua Conselheiro Brotero, 1539 - Cont. 111

Telefones: 55 (11) 3661-1740 / 3667-1017

SANTANA
Rua Dr. Zuquim, 449 - conj. 74

Telefones: 55 (11) 2973-2440 / 2283-0037

Marque sua consulta

Tira Dúvidas

Inaladores"

Tabagismo"