Asclépio, Hermes e a Serpente

Asclépio aprendera a arte de curar com o centauro Quiron, segundo a lenda. Promovia a cura dos doentes e até ressuscitava os mortos. Enciumado por estes triunfos e pela subversão da ordem natural das coisas, Zeus matou-o com um raio e Asclépio, após sua morte, foi recebido como um deus. Esta é a origem na mitologia grega do deus da medicina, que era como Asclépio era cultuado por volta de 429 a.C., e representado por uma serpente. Com a conquista da Grécia pelos romanos, estes assimilaram os deuses da mitologia grega, trocando-lhes os nomes: Asclépio passou a chamar-se Esculápio.
 
Figura 1: Esculápio, no Museu do Vaticano
 
 
A serpente representa um papel importante na velha medicina mágica, representando as forças subterrâneas e, portanto, os deuses das regiões inferiores. Asclépio, ou Esculápio, a princípio, provavelmente foi venerado como deus das regiões inferiores e aparecia sob a forma de uma serpente, a quem eram oferecidas as oferendas. Posteriormente Asclépio é representado em várias esculturas segurando um bastão com uma serpente em volta.
 
Dois símbolos têm sido usados ultimamente em conexão com a medicina: o símbolo de Asclépio, representado por um bastão tosco com uma serpente em volta, e o símbolo de Hermes, chamado caduceu, que consiste em um bastão mais bem trabalhado, com duas serpentes dispostas em espirais ascendentes, simétricas e opostas, e com duas asas na sua extremidade superior.
Figura 2: Bastão de Asclépio
 
 
Se o símbolo de Asclépio está ligado à tradição médica, já o de Hermes (Mercúrio, para os romanos) está ligado ao comércio e, erroneamente, muitas vezes interpretado como símbolo da arte médica, o que se constitui em verdadeira heresia. Hermes, na mitologia grega, é considerado um deus desonesto e trapaceiro, deidade do lucro e protetor dos ladrões. Possuía a capacidade de deslocar-se com a velocidade do pensamento e por isso tornou-se o mensageiro dos deuses do Olimpo e o deus dos viajantes e das estradas. Como o comércio na antigüidade era do tipo ambulante, Hermes foi consagrado como o deus do comércio. Por isso o caduceu é o símbolo do comércio e dos viajantes, sendo utilizado em emblemas de associações comerciais e escritórios de contabilidade, por exemplo.
 
Várias tentativas existem para explicar porque há confusão entre o símbolo de Asclépio e o caduceu de Hermes, embora nenhuma explicação seja definitiva. Concorrem para isso uma série de distorções e erros históricos. 
 
Durante a Idade Média, o bastão com as duas serpentes era utilizado como símbolo por impressores, mercadores, associações comerciais e até por sociedades secretas. O bastão acabou sendo associado também à alquimia. A ligação entre os médicos medievais e a alquimia fez o resto: na Inglaterra do século XV o caduceu de Hermes se tornou o emblema da classe médica e passou a ser estampado até nos livros de medicina.
 
Outro fato, ocorrido no século XVI, aumentou a confusão. Um prestigiado editor suíço, Johan Froebe, adotou para sua editora um logotipo inspirado no caduceu de Hermes e o utilizou na capa de obras clássicas de Hipócrates. Posteriormente, outros editores na Inglaterra e Estados Unidos fizeram o mesmo.
 
Mais recentemente, o fato que mais contribuiu para a difusão do caduceu de Hermes como símbolo da medicina foi a sua adoção pelo Exército norte-americano como insígnia do seu departamento médico, no século XIX, uma escolha errônea e que demonstra desconhecimento da iconografia mitológica.
 
Figura 3: Insígnia médica do exército dos EUA
 
 
Nas últimas décadas diversas entidades de prestígio, e com um mínimo de conhecimento da história da medicina, utilizam o bastão de Asclépio em seus emblemas, com destaque para o logotipo da OMS.
 
Figura 4: Símbolo da OMS
 
Nos Estados Unidos, o bastão de Hermes ainda é usado principalmente pelas empresas que vendem serviços médicos e planos de saúde.
 
BIBLIOGRAFIA
 
Castiglioni, A. A Medicina na Grécia Antiga. In: ________História da Medicina. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1947. P 134-173.
Retief, FP. Snake and staff symbolism, and healing. S Afr Med J 2002; 92(7): 553-6.
Wilcox, RA. The symbol of modern medicine: why one snake is more than two. Ann Intern Med 2003; 138(8): 673-7.
Rezende, JM. O Símbolo Da Medicina: Tradição e Heresia. www.usuarios.cultura.com.br/jmrezende
Ribeiro Jr, WA. O Antigo Símbolo da Medicina. www. arj.med.br/txt/simbolo.asp
VOLTAR
Compartilhar:

CONTATOS

HIGIENÓPOLIS
Rua Conselheiro Brotero, 1539 - Cont. 111

Telefones: 55 (11) 3661-1740 / 3667-1017

SANTANA
Rua Dr. Zuquim, 449 - conj. 74

Telefones: 55 (11) 2973-2440 / 2283-0037

Marque sua consulta

Tira Dúvidas

Inaladores"

Tabagismo"